Total de visualizações de página

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Educação Moral e Religiosa Católica «abarca a totalidade da vida humana»

Proposta educativa é de opção facultativa por alunos, família e encarregados de educação

Lisboa, 06 jun 2017 (Ecclesia) – A proposta da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC), que “abarca a totalidade da vida humana”, quer chegar aos alunos e suas famílias, no início de cada novo ano letivo, para oferecer uma “visão alargada” para crentes e não-crentes.

“O aluno com a disciplina de EMRC fica com uma visão alargada do que é a vida e recebe instrumentos, grelhas de leitura, da vida pessoal e comunitária. É proporcionada a possibilidade de querer fazer grandes escolhas do ponto de vista ético, valorativo, ou seja, ajudar a fazer escolhas conscientes”, afirmou o coordenador de EMRC no Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC) da Igreja Católica.
Em declarações à Agência ECCLESIA, o professor Fernando Moita explica que a disciplina de EMRC “não se destina a alunos católicos, a alunos crentes”, mas a todos que quiserem frequentar a disciplina, porque tem uma proposta que ajuda a pessoa a “entender-se melhor”.
“Vive a vida em função dos outros, sê ousado, tem coragem e perdoar, de amar, de te dedicares a grandes causas, de seres tu próprio enriquecido pelos outros”, acrescenta.
Para a estudante Matilde, os 90 minutos da disciplina “não carregam” os alunos porque torna-os “cidadão melhor” e os temas, como voluntariado, solidariedade, igualdade, são atuais para os jovens que devem “dar muita atenção, principalmente, nos tempos que correm”.
A jovem entrevistada explicou que optou pela disciplina facultativa, que é mais uma carga horária, pelo “exemplo da irmã”, que também frequentou, e porque é “catequista, acólita e escuteira”, para além da “dedicação dos professores da disciplina na escola”.
“Na minha turma vamos para a aula não a pensar que vamos para uma aula. Somos acolhidos de uma maneira familiar em que tanto expomos os nossos problemas, como aprendemos, como tornamo-nos melhores pessoas”, desenvolveu Matilde.
Segundo o coordenador de EMRC no SNEC, a disciplina não é o mesmo que a Catequese porque “acontece em contexto escolar”, ou seja, tem uma dinâmica própria do espaço académico e pelos seus destinatários.
“A Catequese tem como destinatários os crentes ou querem ser crentes, tem em vista a celebração da fé, o amadurecimento. EMRC quanto aos alunos não pressupõe a fé”, explica.
Para o professor Fernando Moita, a diversidade de alunos “traduz-se num enriquecimento muito belo” porque existe a oportunidade “de dialogar, de encontrarem razões para a própria fé”.
Neste contexto, o responsável nacional destaca que o programa da disciplina facultativa “é confessional, os grandes valores são os evangélicos” e a perspetiva ético-moral “é cristã como a Igreja Católica apresenta”, e o professor de EMRC “um homem crente, que ama a Deus, manifesta o amor de Deus no quotidiano escolar”.
Por sua vez, o professor João Barros refere que a metodologia para concretizar a disciplina de começa pelo “testemunho” dos docentes do que estão “a ensinar”.
“É uma forma de cativar os alunos, podemos falar de voluntariado mas se não formos voluntários os nosso alunos dificilmente serão voluntários. Se falar do amor humano e não tiver gestos de amor, não for capaz de sorrir, ter atenção a um aluno que vem ao meu encontro, ter atenção aos seus problemas, ansiedades, dificuldades”, exemplificou.

In  Ecclesia

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Nota Pastoral sobre a EMRC

Matrícula nas aulas de EMRC


Aos pais e encarregados de educação que matriculam os seus educandos no Ensino Básico e Secundário

Prepara-se o novo ano escolar, que todos desejamos seja de verdadeiro crescimento para as nossa crianças, adolescentes e jovens, nas suas escolas.
Em todos os programas do Ensino Básico e Secundário, desde o primeiro ano, a lei prevê a oferta da disciplina curricular de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC). Pretende esta oferta proporcionar aos nossos educandos, desde o primeiro ano do Ensino Básico, um desenvolvimento no qual os valores morais e religiosos acompanhem e iluminem os diferentes saberes que são propostos na escola e também ajudar as nossas crianças, adolescentes e jovens a abrirem o seu entendimento para as dimensões mais belas da vida.
Esta é a hora de lembrar aos pais e encarregados de educa­ção, como também aos próprios alunos, que vale a pena gas­tar tempo e fazer esforço para descobrir e abraçar com entusiasmo as dimensões moral e religiosa da vida e que sem elas a componente verdadeiramente humana do ensino fica incompleta.
Lembramos, por isso, o exercício da responsabilidade pes­soal no momento da matrícula, onde se propõe a escolha desta disciplina curricular.
Vale a pena escolher.

Guarda, 23 de maio de 2017

+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda


segunda-feira, 29 de maio de 2017

Visita de Estudo de EMRC 7º ano

Na passada sexta-feira, dia 26 de maio, um grupo de 30 alunos do 7.º ano, inscritos em EMRC, fizemos uma visita de estudo por terras de Braga.
Desta visita, conhecemos o mosteiro de Tibães, incluindo a cerca, com toda a sua beleza monumental e ambiental.
O almoço teve lugar no Parque do santuário de Nossa Senhora do Sameiro. Depois de saciado o apetite, descemos até ao Bom Jesus do Monte, também conhecido como Bom Jesus de Braga.
O nevoeiro não permitiu ver claramente a paisagem, mas todos desfrutámos da beleza do espaço, quer da basílica quer do espaço exterior. 
Deixamos aqui algumas fotografias para os nossos colegas que não foram, bem como outras pessoas, puderem apreciar o que nós visitámos.

Mosteiro de São Martinho de Tibães























Bom Jesus de Braga







quarta-feira, 24 de maio de 2017

Visita à comunidade judaico-cristã, em Belmonte

No dia 18 de maio, dando cumprimento ao Plano Anual de Atividades, um grupo de alunos do 6.ºano, inscritos na disciplina de EMRC, viajou até Belmonte.
Foi-nos dado a conhecer o Museu do Azeite, o Ecomuseu do Zêzere, a Sinagoga, a Igreja de Santiago com o Panteão dos Cabrais, o Castelo com as suas salas de exposições temáticas, o Museu dos Descobrimentos e o Museu judaico, este situado num espaço provisório por motivo de se encontrar em obras de requalificação.




















segunda-feira, 15 de maio de 2017

EMRC visita o Mosteiro de S. Martinho de Tibães

No passado dia 11 de maio, um grupo de alunos de EMRC, 3º ciclo, realizou uma visita de estudo ao mosteiro de São Martinho de Tibães - Braga, tendo aproveitado também para conhecer o Santuário de Nossa Senhora do Sameiro, onde, apesar de alguns pingos de chuva, em alegre convívio, partilhámos o farnel. Após o almoço, visitámos a basílica do Bom Jesus, com o seu monumental escadório.
Descer e subir os 581 degraus do escadório foi a prova que alguns quiseram superar.

video


O Mosteiro de São Martinho de Tibães localiza-se na freguesia de Mire de Tibães, concelho e distrito de Braga.
Foi fundado em finais do século XI, quando o Condado Portucalense começava a afirmar-se e os monges de Cluny introduziam a regra monástica de São Bento.
Com a extinção das Ordens Religiosas em Portugal, em 1834, o mosteiro foi encerrado e os seus bens, móveis e imóveis, foram vendidos em hasta pública ou integrados em coleções de museus e bibliotecas nacionais. Este processo só terminou em 1864 com a compra, por privados, de grande parte do edifício conventual. 
Em 1986 o Estado Português comprou a maior parte da propriedade em uso privado.








Foi mais uma das nossas visitas de estudo que decorreu muito bem, devido à colaboração e bom comportamento dos alunos. Foi uma visita muito rica em história, cultura, património, arte, religião...